Fernando Santos: "Podíamos ter feito o quarto golo"

Seleção A

Selecionador Nacional já analisou o triunfo frente ao Gana (3-2). Confira, também, as reações dos internacionais portugueses.

Fernando Santos em discurso direto:

"Em termos de transição ataque-defesa, estivemos muito bem. O Gana fez zero remates. Nós, com segurança com bola, embora uma segurança passiva, a trocar a bola atrás, invadimos o meio-campo do adversário mas voltámos para trás e a circular por fora e com pouca agressão. Estava a faltar isso.

Melhorámos a partir dos 30/35 minutos. Nos últimos minutos criámos três ou quatro situações de grande perigo, com cruzamentos e entrada de jogadores. Podíamos ter feito o quarto golo.

FOTOGALERIA

Não foi fácil, mas eu disse que, não sendo fácil, a equipa nos últimos 10 minutos da primeira parte preencheu melhor o jogo. Disse-lhes [aos jogadores portugueses] ao intervalo que era preciso ter paciência, mas queríamos fazer golos. Entraram para modificar o tipo de jogadas, e o penálti surge dessa forma. Mas sofremos golos que vinham do nada”.

O internacional português Rafael Leão em discurso direto:

[Sobre o golo que apontou] “Era algo que procurava há muito tempo, um golo ou uma assistência. Estou muito contente, mas o mais importante era a vitória. Tivemos a iniciativa de procurar o golo e estamos de parabéns.

Queria ajudar a equipa, de qualquer forma. Acho que fui feliz, estou muito contente.

O ‘mister’ preparou muito bem a equipa. Portugal, sendo uma equipa muito forte em todas as posições, tomámos sempre a iniciativa do jogo, ficaram muito recuados. Mas acho que na segunda parte melhorámos e mostrámos outra atitude. Fomos felizes”.

O internacional português Bruno Fernandes em discurso direto:

[Sobre as duas assistências que fez na partida] "Só fazendo os movimentos certos é que aparecem os espaços. Há que haver o timing certo no movimento. Fomos felizes e marcámos golos, assim como no penálti, que resuktou de uma grande jogada entre o João Félix e o Cristiano.

Não houve tremideira nenhuma na reta final do jogo. É o nervosismo normal do primeiro jogo, é a dificuldade que o Gana nos causou. Uma seleção que sabíamos que ia causar-nos muitos problemas. No final do jogo levaram mais gente para a frente. No momento de saída podíamos ter marcado mais um ou outro golo: não fomos capazes, mas soubemos defender o resultado e isso é o mais importante.

[Ganhando o próximo jogo, Portugal está nos oitavos de final] Queremos entrar a ganhar, mas independentemente dos resultados das outras equipas temos de fazer o nosso [trabalho]. É isso que conseguimos controlar: os nossos jogos e os nossos pontos. Agora, o foco está no próximo jogo."

O internacional português João Félix em discurso direto:

“Na primeira parte, estavam muito mais organizados, com mais vontade. Meteram-se muito lá atrás, uma equipa rápida, agressiva, e é difícil entrar na área deles. Ainda tivemos algumas ocasiões, mas controlámos o jogo.

Depois do golo, ainda tivemos um bom tempo em que controlámos, sem pressa, tranquilos. Com paciência para tentar chegar ao golo, e aí desequilibram-se. Fazem um golo do nada e depois lá tivemos de ‘remontar’ outra vez. Estivemos muito bem”.